Escrevi esse texto no fim do ano retrasado, estava organizando umas pastas e achei ele perdido no meio de tantos outros, mas acho que esse vale a pena a leitura. Quando eu gostava de uma pessoa, eu aguentava todas as mancadas o quanto eu podia, até surtar. E quando eu surto, eu acabo escrevendo absolutamente tudo o que eu penso. Infelizmente, sempre que eu escrevo, a pessoa some, mas tudo bem, digamos que estava na hora dessa sumir, então…

Vou tentar falar de uma maneira que você consiga entender (não sei o que, porque obviamente você já sabe e só está se fazendo de idiota), mas a questão é que eu cansei de ser idiota também. Vamos fingir que isso será como uma prova para as facções de Divergente.

Primeiramente, vou começar com a FRANQUEZA, e já vou falar de uma vez oque você e o mundo já sabe: eu ERA afim de você. Mas eu era mesmo, do tipo que ouviu você querendo ficar com todas as minhas amigas, familiares e conhecidas e tentei levar na brincadeira, acho que talvez por eu fazer humanas e gostar demais de livros e filmes bobos de romance, eu sempre quis acreditar que você tava fazendo isso porque no fundo queria me provocar (olha que viagem a minha… mas é pra falar a verdade nessa facção não é?). Aproveito pra dizer que infelizmente (pra você) isso não será viável, porque não sei se você sabe como funciona as regras para amigas, primas, etc.. ok, não existe uma regra, só o bom senso mesmo, logo, minhas amigas, primas, conhecidas não vão ficar com você. Sorry, my bad.

Vamos passar pra parte da ERUDIÇÃO, não gosto dessa facção, mas preciso fazer o teste. “Grande conhecimento, aprendido ou acadêmico.” Bom, se eu aprendi alguma coisa é que eu preciso querer alguém que queira ficar comigo (clichê, clichê, clichê). Consegui aprender que um cara que fala muito por mensagem, nada faz pessoalmente. Aprendi também que quando uma pessoa quer uma coisa, não existe tempo ou distancia. Logo, não importa eu querer, querer muito, eu não consigo querer por você. 

Agora vamos pra AUDÁCIA – mesmo achando que já fui muito falando tudo isso, mas preciso ser muito corajosa pra te mandar isso (ou seja, se você está lendo, é porque eu passei com sucesso nessa etapa). Eu nem sei o que eu realmente quero falar pra você, depois de tudo isso, mas talvez que eu realmente esperei alguma coisa de você. Acho uma droga ter uma memória tão boa para algumas coisas. Mas tudo bem, já passei nessa facção mesmo, vamos ver o que falta…

E não é nem querendo ser da ABNEGAÇÃO, mas eu sei que a culpa disso tudo não é sua, e sim minha. Porque EU quis fingir que você era esse cara que eu tanto queria, mas eu queria tanto que eu te idealizei de um jeito que fugiu da realidade. Todo mundo falava que você era idiota (“- Ai nossa, mas você falava de mim pra suas amigas?” “- Sim, obvio, é pra isso que servem os amigos!”) e eu te defendia, olha só que ironia? Eu sempre falei que devia ter alguma coisa a mais, você não podia simplesmente ser assim, sabe? Sempre inventava desculpas pra limpar a sua barra, então, eu sei que a culpa disso e totalmente e exclusivamente minha.

É para terminar, a AMIZADE, acho que tiro de letra essa, né? Acho que aceitar que tudo o que eu fiz até agora é apenas para receber um “sorry, não vai rolar” me deixa preparada para seguir em frente e de cabeça erguida. Não vou sair culpando o mundo, cortando ou pulsos ou chorando se não der certo. É experiência, né? Nem que seja pra melhorar minha escrita, pra alguma coisa isso há de servir. Porque, “eu sou feita de amor, e embora não seja seu, essa é minha essência”. (confesso que li isso na internet e não via a hora de poder falar finalmente) Mas basicamente é isso. 

Passando por todas as facções, me tornei divergente.
E divergentes como eu, não ficam com alguém sem facção como você.

Anúncios