A Apple é uma das maiores love branding que existem hoje além de líder mundial em inovação com diversos produtos, mas para falar de uma marca tão apaixonante precisamos falar primeiro do seu cofundador: Steve Jobs – que foi demitido da própria empresa e voltou para transformá-la em um referência mundial em vários segmento

Steve foi adotado pela família Jobs ainda quando era um bebê, não se formou em nenhuma universidade, mas sempre gostou muito de conhecimento e educação. Embora não frequentasse as aulas regulares, participou de algumas matérias específicas como caligrafia e dança, gostava muito das aulas de eletrônica, embora não fosse um gênio nesse quesito técnico. Outro ponto importante a ser destacado é que ele não gostava de tomar banho.

A “fantasia” de Jobs, nada mais era do que uma calça jeans azul e um moletom preto de gola rolê desenhado pelo designer japonês Issey Miayke, ele tinha mais de 100 unidades do mesmo agasalho e acabou se tornando uma espécie de marca registrada.

Foi apresentado no documentário, Como Steve Jobs Mudou o Mundo, disponível no netflix, a sua característica visionária e de boa comunicação. A empresa teve esse nome por conta dos movimentos hippies da década de 70, pela maçã histórica do Isaac Newton e claro, por ser uma de suas frutas preferida.

Steve se importava muito com a aparência em que o seus produtos chegariam para o consumidor final, ele sempre foi muito perfeccionista. Na criação da placa mãe, por exemplo, ele queria que todos os fios estivessem alinhados e quando questionado sobre “quem ligava para isso?” ele respondeu que ele se importava. Além do funcional, ele sempre buscou algo atraente para os consumidores.

O primeiro computador criado por ele foi o Apple I – aparelho vendido apenas para técnicos em informática, afinal seria necessário ligar em uma televisão, com os cabos certos e tudo relacionado a esse processo. Steve percebeu que isso não era suficiente. Ele queria vender para pessoas comuns, ele queria que qualquer pessoa pudesse usar e ter um computador. Foi quando ele criou o Apple II, totalmente revolucionário porque foi o primeiro computador de uso pessoal completo.

Depois de ser expulso do projeto Lisa, ele ficou obcecado em apresentar algo realmente relevante para o público e que desbancasse a IBM, foi quando ele recrutou alguns funcionários para o lançamento do Macintosh. Para apresentar a marca ele contou com o executivo John Sculley que fazia um trabalho excelente com a marca Pespsi. Selou o acordo após ter feito seu lendário discurso para o John: “Você quer vender água com açúcar para o resto da vida ou você quer vir comigo mudar o mundo?”. Fizeram uma propaganda fantástica e provaram que 1984 não seria como “1984”. Como disse o Leander Kahney no livro A cabeça de Steve Jobsa mensagem era clara: o Mac iria libertar os oprimidos usuários de computador da hegemonia da IBM”. Os computadores tiveram uma excelente posição no mercado apesar dos preços elevados. O que eles não contavam, era que um simples funcionário, muito interessado no desenvolvimento do Macintosh iria criar algo tão ‘parecido’. No mesmo ano, Bill Gates apresentou a nova empresa Microsoft que pela metade do preço, passou a liderar o mercado.

Com a queda nas vendas, ‘o orgulho ferido’ e o gênio forte, após perder uma disputa de poder, Jobs acabou sendo afastado da própria empresa. Mas ele não parou por aí, fundou a NeXT – que seria uma continuação da Apple e com uma parceria estratégica com a Disney criou vários filmes e animações de sucesso, como Toy Story, Procurando Nemo, Up e Aviões – ele inovou nas animações e mostrou como elas realmente deveriam ser.

Jobs voltou a Apple como um consultor, em 1997, a empresa estava em uma situação crítica e a ponto de fechar. Foi então que Jobs retornou ao cargo de CEO da empresa, tirou os processos de plágio que tinha feito ao Bill Gates em troca de um cheque de $ 150.000 dólares e um novo sistema operacional.

O iMac foi o primeiro computador apresentado com várias características avançadas, principalmente pelo seu design inovador, lúdico e colorido. Desde então, a Apple ganhou espaço no mercado, que se solidificou ainda mais com o lançamento do iPod, iTunes, iPhone e iPad.

Navegar num oceano azul é inovar e perseguir novas oportunidades. Nunca foi uma coisa fácil e é preciso muita determinação e criatividade para isso, criar algo que você gostaria de usar, e acreditar no seu produto é uma boa forma de começar.

 Além do computador pessoal, o iPod é um exemplo vivo sobre isso, porque enquanto todo mundo comprava CDs e um discman para ouvir 12 faixas, Jobs fez com que em um clique as pessoas tivessem acesso à mais de 300 músicas. A mesma coisa o iPad, ninguém acreditava que precisava de um até ser apresentado para eles.

O “Think Different” é o slogan publicitário criado pela Apple em 1977 e a campanha “The Crazy Ones” foi narrada pelo Steve Jobs para anunciar a sua volta à empresa:

“Como você pode olhar para uma tela em branco e ver uma obra de arte? Ou sentar em silêncio e ouvir uma música jamais composta? Ou olhar para um planeta vermelho e ver um laboratório sobre rodas? Enquanto alguns os veem como loucos, nós vemos gênios. Porque as pessoas que são loucas o suficiente para achar que podem mudar o mundo, são as que de fato, mudam”. (Apple Inc., The Crazy Ones, 1997)

Mudar o mundo era a missão de Steve Jobs e ele de fato mudou. Manteve-se fiel ao que acreditava e conseguiu provar ao mundo todo que, pensar diferente e ter determinação é essencial para alcançar o sucesso.

 

Anúncios